Erisvaldo-Borges

Erisvaldo Borges

Nascimento

1970

Naturalidade

Picos (PI)

Um dos mais respeitados violonistas do Nordeste, é autor 400 músicas e já lançou 9 CDs e 5 livros de partituras

Por Gilson Antunes

Um dos mais conhecidos e respeitados violonistas do Nordeste brasileiro. Sua carreira, já com vários CDs gravados de forma independente e em estilos bastante contrastantes, combinada com a direção artística do maior festival de violão da história do Nordeste (Fenavip), o colocam em destaque entre os violonistas de sua região.

Nascido no interior do Piauí, Erisvaldo mudou-se para a capital, Teresina, aos 15 anos. Apenas aos 17 começou a estudar violão de maneira autodidata, ouvindo gravações e lendo livros de teoria e história da música.

Logo começou a tocar guitarra elétrica em grupos de heavy metal, como o Megahertz, além de integrar a última formação da banda Vênus (listada no pioneiro livro ABZ do Rock Brasileiro, de Marcelo Dolabela). No final da década de 1990, abandonou a guitarra elétrica, dedicando-se especialmente ao violão instrumental.

Entre 1994 e 1997 Erisvaldo decidiu se aprimorar em cursos e festivais de violão espalhados pelo Brasil, especialmente o Festival de Inverno de Campos do Jordão (realizado na cidade de São Paulo em 1994, quando participou de masterclass com Eduardo Fernandez), além de festivais em Londrina, Brasília e Porto Alegre.

Além da música, cursou faculdade de educação artística pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e fez pós-graduação pela Faculdade de Ensino Superior do Piauí (FAESPI).

Em 1996 gravou seu primeiro disco solo, Estação das Cordas, apresentando versões bastante pessoais de obras de Bach, Ernesto Nazareth, Garoto, Catullo, Gnattali, Baden e Dyens, além de composições próprias.

Em 1997 e 1998 gravou dois CDs com participações de outros músicos, Paisagens e Étnico, este último apresentando apenas composições do próprio Erisvaldo. Já no ano seguinte, 1999, voltaria a gravar um CD solo, Estação das Cordas 2, tocando clássicos como Abismo de Rosas (Canhoto), Tristesse (Chopin) e Pour Elise (Beethoven).

Em 2000 gravou Além da Fronteira e Elegia (lançado no ano seguinte), este último mantendo a linha de repertório tradicional (Fernando Sor), arranjos de obras de grandes compositores (Schubert e Ernesto Nazareth) e composições próprias.  Em 2002 gravou Zênite, novamente com participação de convidados (que tocam bateria, baixo elétrico e percussão) e repertório inteiramente autoral. Em 2003 participou de um programa especial da TV Senado, em Brasília, e no ano seguinte começou a dar aulas como professor temporário do Curso Técnico de Música do CEFET-PI, cargo que ocuparia até 2006.

 Nascente, CD novamente com composições próprias, viria em 2005, com participação de Paulo Dantas no baixo e Bebeto Filho na bateria. Em 2008 tocou na série da Bravio em Brasília e lançou a terceira série da Estação das Cordas, seguindo a mesma tradição de repertório tradicional, arranjos e composições próprias. Um ano antes, Erisvaldo já havia criado os projetos Musicalizando Através da Prática Coletiva de Violão e Violão na Escola, com apoio da Prefeitura Municipal de Teresina, sendo que esses projetos atenderam a impressionante quantidade de 1.300 alunos.

Em 2008 Erisvaldo Borges apresentou-se com enorme êxito no Seminário Internacional de Violão Vital Medeiros, em São Paulo, divulgando seu nome para mais de uma centena de participantes de todo o Brasil. Nesse mesmo ano fez uma turnê por várias cidades do Nordeste e no ano seguinte tocaria no Amapá, Mato Grosso do Sul e Acre.

Erisvaldo lançou também uma série de partituras impressas, a maioria com obras de sua autoria (Doze Peças para Violão, Três Peças Latinoamericanas e Três Canções para Violão). É autor do impressionante número de mais de 400 composições, incluindo peças solo, orquestrais e música de câmara, incluindo a melodia do Hino de Teresina.

Entre os países nos quais Erisvaldo se apresentou estão Honduras, Venezuela, El Salvador, Costa Rica e Nicarágua, além de vários estados brasileiros.

Erisvaldo é importante também por criar e coordenar dois importantes festivais: o Fenavip, onde se apresentaram alguns dos maiores violonistas do mundo (foi o primeiro evento brasileiro a receber Ana Vidovic e Xufey Yang), e o Festival de Música de Teresina. Em muitos desses festivais, Erisvaldo Borges apresentou-se ao lado de grandes nomes como Turíbio Santos, Hélio Delmiro e Yamandú Costa.

Links

http://Erisvaldoborges.blogspot.com.br

Discografia

-Estação das Cordas (1996, independente)

-Paisagem (1997, independente)

-Étnico (1998, independente)

-Estação das Cordas II (1999, independente)

-Além da Fronteira (2000, independente)

-Elegia (2001, independente)

-Zênite (2002, independente)

-Nascente (2005, independente)

-Estação das Cordas III (2008, independente)

Livros de partituras:

DOZE PEÇAS PARA VIOLÃO (composições próprias)

TRÊS PEÇAS LATINO–AMERICANAS  (composições próprias)

TRÊS CANÇÕES PARA VIOLÃO (composições próprias)

10 CHOROS (composições de Nonato Luiz)

SUITE SEXTA EM RÉ nº. 2  (composição de Nonato Luiz)