Paulo-Porto-Alegre

Paulo Porto Alegre

Nascimento

1 de Maio de 1953

Naturalidade

São Paulo (SP)

Violonista, arranjador e compositor, venceu vários concursos internacionais e fundou grupos como o Trio Opus 12 e o Núcleo Hespérides

Por Gilson Antunes

Filho de Deborah Porto Alegre Soares e Manoel Martins Soares, Paulo Roberto Porto Alegre Soares nasceu em família musical. De acordo com o site Músicos do Brasil, a tia-avó de Paulo, Nídia Soledade Otero, era violoncelista e foi a primeira professora de  Antônio Meneses. O pai dominava sete instrumentos e os cinco irmãos de Paulo também tocavam.

Neste ambiente, Paulo Porto Alegre começou a estudar piano aos 7 anos de idade. Dos 10 aos 18, tornou-se autodidata no violão, estudando matérias teóricas e composição, além de técnica e interpretação violonísticas. Apenas aos 18 anos iniciou seriamente os estudos de violão, tendo aulas com o mais importante professor da época no Brasil, o uruguaio Isaías Sávio, com quem estudou por quatro anos.

Professores

A partir daí, teve aulas com Henrique Pinto (de 1975 a 1980), Abel Carlevaro, Eduardo Fernandez, Miguel Angel Girollet e Alvaro Pierri, além de composição com Sérgio Vasconcellos Corrêa e H. J. Koellreutter e análise musical com Osvaldo Colarusso, Fabio Mechetti e Phillipe Manoury. Os contatos com Radamés Gnattali, Sérgio Assad e outros músicos da área popular foram decisivos para sua formação como violonista e compositor, e moldaram sua estética musical de forma definitiva.

Logo veio a receber três importantes e pioneiros prêmios como violonista. Foi o primeiro brasileiro a vencer os prestigiados Concurso Internacional de Violão Palestrina, em Porto Alegre (1979), e o Concurso Internacional de Violão Villa-Lobos, no Rio de Janeiro (1984). Foi também o primeiro brasileiro premiado como compositor no Concurso de Violão da ORTF, na França, em 1986, recebendo a menção de honra por sua música Contrastes I. Esses três prêmios praticamente resumem as atividades de Paulo Porto Alegre como compositor e instrumentista, em igual importância.

Trio Opus 12

Em 1977, fundou um dos mais importantes conjuntos camerísticos da história do violão brasileiro, o Trio Opus 12, ao lado de Oscar Ferreira de Souza e Clemer Andreotti. O trio chegou a participar do filme Jeitosa, um Assunto Particular, dirigido por Nello de Rossi – única filmagem profissional existente da formação inicial do grupo. Paulo participou inclusive como ator (seu personagem chamava-se justamente Paulo).

O diretor do filme ficou tão interessado pelo trio que veio a produzir o primeiro e histórico registro fonográfico do grupo: o LP Trio Opus 12, gravado em julho de 1982 (as seções de gravação ocorreram durante a Copa do Mundo de futebol, como relembra Paulo), considerado um dos melhores registros da história do violão clássico no Brasil, ao lado dos discos do Duo Abreu e do Duo Assad, entre outros.

O Opus 12 teve várias formações ao longo do tempo (com pausa entre 1987 e 2005), incluindo músicos como Cristina Azuma, Edelton Gloeden e Daniel Murray. Com esses dois últimos, o trio fez gravações para o CD Retratos de Radamés. Grandes compositores como Guido Santórsola, Lívio Tragtenberg e Radamés Gnattali escreveram especialmente para o trio. O compositor Aylton Escobar, por sua vez, dedicou seu Prelúdio a Paulo Porto Alegre como solista.

Outras formações camerísticas

Poucos violonistas no Brasil participaram de tantas formações camerísticas quanto ele. Além do Opus 12, fez parte dos quartetos de violão Brazilian Guitar Quartet e Quarternaglia Guitar Quartet, formou um duo com Edelton Gloeden e um trio com Marcelo Jaffet (viola) e Rogério Wolf (flauta), tendo gravado com este último um CD pelo selo Paulus, em 1997. Participou também de apresentações do Sexteto Místico, de Villa-Lobos, e da ópera de Philip Glass A Queda da Casa de Usher.

Como compositor, teve obras gravadas pelo Trio de Violões de São Paulo, Marcus Llerena, Trio Opus 12, Cristina Azuma, Núcleo Hespérides e o Duo Edelton Gloeden e José Ananias, entre outros. Mas um CD inteiramente dedicado às suas composições só veio aparecer em 2013, quando lançou Varandeio, pelo selo Música Marú. Antes disso, já havia lançado seu primeiro registro solo, A Queda dos Pássaros, em 1997, pelo selo EGTA, com obras de Frederic Hand, Joaquin Rodrigo, Lennox Berkeley, Leo Brouwer e Nikita Koshkin, além de sua própria Sonata n.2, denominada Casa dos Amigos da Natureza.

Entre as peças mais importantes de sua autoria, destacam-se Quatro Sonatas, 12 Estudos Populares, 24 Estudos Modais, Suíte Brasileira e Variações Jazzísticas.

Além das atividades como solista e camerista, foi solista de orquestras regidas por maestros como Camargo Guarnieri e Isaac Karabtchevsky.

Arranjador

Paulo Porto Alegre é também bastante reconhecido como arranjador. Em seus recitais, constantemente interpreta refinadas versões próprias das mais diversas obras populares. Seus arranjos dos Beatles, em particular, sempre tiveram bastante repercussão, assim como os de obras como Abismo de Rosas (Américo Jacomino), Love Is Here To Stay (Gershwin), Letter From Home (Pat Metheny), temas de Ralph Towner, entre outros. Graças a essa faceta de seu trabalho, conquistou também a admiração do público de música popular.

Atualmente, é professor das duas principais escolas públicas de música de São Paulo, a Escola Municipal de Música e a Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP). Foi também professor de diversos festivais de música no Brasil e no exterior, entre eles o Festival de Inverno de Campos do Jordão, Festival Leo Brouwer, World Congress (Baltmore, Estados Unidos) e Idriart (Beijing, China).

Homenagens

Pela importância como violonista, arranjador e compositor e pelo conjunto de sua obra, foi Paulo Porto Alegre homenageado no Seminário Internacional de Violão Vital Medeiros, em 2012, e no Festival Leo Brouwer, em 2013, ao completar 60 anos de vida, juntamente com Julian Bream. Assim, Paulo Porto Alegre é o único violonista a receber as duas homenagens das mãos dos organizadores desses festivais.

 

Discografia

-Trio Opus 12 (Independente, 1984)

-Trio for Flute, Viola and Guitar (Paulus, 1997)

-A Queda dos Pássaros (EGTA, 1997)

-Violões do Brasil (Galvani, 2004)

-Retratos de Radamés (Petrobras, 2007)

-Mestre dos Mestres (Música Marú, 2011)

-Sons das Américas (SESC, 2012)

-Varandeio (Música Marú, 2013)

 

Musicografia:

Violão Solo:

5 Sonatas

Suíte Brasileira

24 Estudos Modais

12 Estudos Populares

28 Pequenos Estudos

52 Peças Fáceis

Mini Suíte

5 Peças

6 Pequenas Peças Politonais

Pequena Suíte em Sol

6 Prelúdios

5 Fragmentos Seriais

Tocata

Variações Jazzísticas

Contrastes I

Homenagem a Berkeley

 

Dois Violões:

Variações I e II

10 Pequenos Estudos

3 Estudos de Concerto

2 Tocatas

 

Três Violões:

Trio 2005

10 Divertimentos

Suíte Modal

Tocata e Fuga Funk

Suíte Popular

Movimento

 

Quatro Violões:

Quarteto nº1

 

Flauta e Violão:

Encontro das Águas

Sonatina

Choro Suíte

Sonata

Vocalize

 

Música de Câmara em Geral:

Sonata para Viola Caipira e Violão

Sonata para Violoncelo e Violão

Sonata para Viola/Clarinete e Violão

Sonatina para Oboé e Violão

Tocata para Flauta, Violão, Piano e Marimba

Estudo Minimalista para 3 Violões e Temple Bock

Introdução e Samba para Flauta, Viola e Violão

Sonhos para Canto e Violão

 

Diversas Formações:

3 Peças para Orquestra de Violões

Hespérides (para 3 Cantores, Flauta, Violão, Piano, Percussão e Sons Eletrônicos)

Hespérides II (para 3 Cantores, Flauta, Violão, Piano, Percussão, Sons Eletrônicos com orquestra)

 

Links

Página oficial: www.pauloportoalegre.com

Músicos do Brasil: http://musicosdobrasil.com.br/paulo-porto-alegre