Voltar

Novo curso de violão impressiona pelo elenco de professores e variedade de temas

Postado em Cursos, palestras e seminários em 11/03/2019

(Ulisses Rocha)

Por Giulia Costa e Alessandro Soares

Sidney Molina inaugura as aulas da pós-graduação inédita Violão: Pedagogia e Performance Violão: Pedagogia e Performance a partir desta segunda-feira (11/03) na Faculdade Santa Marcelina, com o tema Desenhando o repertório do violão: da Renascença ao Século 21. E toda quarta-feira (13/03), Ulisses Rocha dará sequência, sendo responsável pela didática do violão violão popular, harmonia, ritmo e improvisação.

Violonista, compositor e arranjador, ex-integrante do lendário Trio D´Alma, com 14 discos gravados, Ulisses Rocha é professor da Unicamp e já ensinou na Universidade da Flórida, nos Estados Unidos por cinco anos. Enquanto Sidney é professor da Unifiam-Faam (São Paulo) e da Fundação Carlos Gomes Uepa (Belém), além de ser fundador do Quaternaglia e crítico musical da Folha de S Paulo.

Fábio Zanon será o terceiro professor. Violonista, maestro e comunicador, Zanon é autoridade no assunto Villa-Lobos, com mestrado sobre o compositor na Royal Academy of Music, além de ter gravado a obra completa dele e ser o autor do livro Folha Explica: Villa-Lobos. “Vai ser a hora da gente mergulha no Villa com o Fábio”, antecipa Molina.

(Thiago Abdalla)

Thiago Abdalla, também integrante do Quaternaglia, vai lecionar no estúdio da Santa Marcelina. A experiência dele em edição e conhecimento de acústica serão essenciais para que o aluno possa aprender sobre gravação de discos e vídeos. “Por mais acústica que seja a proposta de trabalho do violonista, ele vai gravar um disco em alguma hora ou vai ter que mandar um vídeo para um concurso, um festival ou para uma pós-graduação”, enumera. Nessa matéria, os estudantes aprenderão a gravar, a posicionar o microfone, a ter noção de diferentes tipos de equipamento, a montar um set pessoal, editar, mixar e masterizar.

Instrumentos históricos e ornamentação

Os alunos da pós-graduação também terão oportunidade de aprender com artistas e acadêmicos de outros estados, como a alaudista e professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Silvana Scarinci, que concordou em ir a São Paulo dar duas aulas no curso, apesar de morar em Curitiba. Scarinci é reconhecida pelos trabalhos de recuperação e performance de obras barrocas, como Ariane & Bacchus, de Marin Marais. Ela resgatou a ópera, até então desconhecida, e a montou em Chicago, nos Estados Unidos, com instrumentos de época, aprendendo as linguagens técnicas e métodos de instrumentos antigos de cordas dedilhadas.

(Paulo Martelli. Crédito: Lucas Tannuri)

Sobre ornamentação e retórica em Bach, quem dará aula será Paulo Martelli, especialista nessa área com doutorado pela Unesp. O violonista também possui mestrado na Julliard School e já estudou na Manhattan School of Music.

Violão na canção

Victor Castellano e Chico Saraiva finalizam o primeiro semestre do curso, com o tema Prática em Grupo: Solo e Acompanhamento. Victor é violonista, compositor, professor de graduação e trabalha com a Camerata de Violões do Conservatório de Guarulhos, além de ter experiência com música de câmara na Alemanha. Saraiba, por sua vez, gravou seis álbuns autorais, é especialista em música popular e faz parte do grupo A Barca.

(Chico Saraiva)

Ele vai discutir o violão na canção, cuja a experiência nessa área também é vasta devido ao mestrado e doutorado que ele defendeu, que resultou no projeto multimidia Violão-Canção, em formato de livro, site e documentário. “A gente sabe que no violão a função do acompanhamento da canção é primordial e quase nunca é trabalhada em curso acadêmico”, comenta Molina.

Métodos de estudo e levadas brasileiras

A partir do segundo semestre, Gilson Antunes, que é professor do Instituto de Artes da UNICAMP e já apresentou mais de 400 recitais em diversos países, dará suas aulas na pós-graduação. Ele será responsável pela orientação técnica dos alunos: como é trabalhada a sonoridade, métodos de estudo, prevenção de lesões, métodos clássicos e contemporâneos, entre outros aspectos. “Eu sempre admirei o Gilson tecnicamente. Acho que ele nunca errou uma nota. É muito seguro, disciplinado e muito consciente da parte técnica”.

Em paralelo a Gilson Antunes, o violonista e compositor integrante do Brasil Guitar Duo Douglas Lora irá abordar as levadas brasileiras. Com mestrado na Universidade de Miami, Lora também deu aula de música brasileira como professor assistente na mesma faculdade e já recebeu duas indicações ao Grammy: uma por melhor álbum de música clássica pelo último CD do grupo Brasil Guitar Duo e outra na categoria Best World Music Album pelo seu disco Rosa dos Ventos, como integrante do Trio Brasileiro.

Ensino coletivo e baixarias no choro

Paola Picherzky, que faz parte do grupo Choronas e já integrou o Quaternaglia, também será outra professora importante no segundo semestre do curso, graças ao seu doutorado em ensino coletivo de violão. Molina considera esse tema essencial para a pós-graduação devido a sua relevância em projetos sociais que utilizam o violão. A partir do estudo do ensino coletivo, os docentes aprendem a lidar com a diversidade existente em escolas de música, que vai desde pessoas que estão começando do zero a aqueles que já estudam o instrumento há bastante tempo. Abordar essa temática é fundamental para que as aulas sejam atrativas para os alunos e professores, de modo que seja possível criar, ensinar e aplicar estratégias de trabalho em grupo para indivíduos de níveis e dificuldades divergentes.

Já o multi-instrumentista, compositor e arranjador Alessandro Penezzi vai ensinar o universo do choro (acompanhamento, baixarias e improvisação). Formado em violão erudito e música popular, Penezzi é dos maiores virtuoses de violão 7 cordas de sua geração.

(Paola Picherzky)

As duas últimas disciplinas serão ministradas por Daniel Murray, intérprete, compositor, solista e camerista no Brasil e no exterior, que já gravou dois discos de violão eletroacústico e possui uma tese de mestrado sobre o assunto. Este último abordará conteúdos como técnicas estendidas e expandidas, que vão desde percussão até eletrônica e podem ser aplicadas tanto na música erudita contemporânea quanto na popular.

Palestras e metodologia de pesquisa

A pós-graduação também irá disponibilizar uma disciplina exclusiva para quatro palestrantes. Cada um terá uma noite com a classe e não precisa ter titulação. Além disso, os convidados serão diferentes todos os anos. “A gente pode fazer com um artista que está passando por São Paulo, um pesquisador que quer mostrar sua linha de pesquisa ou um especialista que pode trazer diferentes estilos de violão que não estejam exatamente contemplados no curso”.

O único professor do curso que não é violonista é Maurício Érnica, que fazer parte do departamento de  Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte da UNICAMP. Ele será responsável pela disciplina de Metodologia devido a sua experiência direcionada às artes e a pesquisas com performance, enquanto Sidney Molina e Paola Picherzky estão encarregados das orientações de trabalhos de conclusão de curso.

(Camilo Carrara)

Performance no palco

Por fim, o multi-instrumentista, compositor e arranjador Camilo Carrara irá utilizar seu conhecimento sobre direção e produção musical para auxiliar os estudantes a prepararem o show da classe que será realizado no final do ano letivo. O intuito é dar oportunidade para que todos possam participar do processo de construção do espetáculo, tocando, criando arranjos, contribuindo para as gravações e fazendo a divulgação do evento. “Tudo isso vai acontecer de modo que tenha a participação de todo mundo para fazer esse grande show”.

Serviço:

Pós-graduação Violão: Pedagogia e Performance

Período: 11 de março de 2019 a 28 de agosto de 2020 (360 horas em 3 semestres)

Onde: Faculdade Santa Marcelina (Perdizes, São Paulo)

Horários: Segundas e quartas, 19h às 22h40 - 2 sábados por semestre, das 09h20 às 12h40

Valor da mensalidade: R$710

Inscrições: pg.violao@santamarcelina.edu.br (11) 3824-5800